Ao lado dos grandes e tradicionais atores da Rede Nacional de Migrações como Cáritas, ACNUR e OIM, a Mawon hoje faz parte do Ceiparm e está inserido nos importantes debates sobre migração no Brasil.

A Mawon foi fundada por Mélanie e Robert (Bob) Montinard em 2017, 7 anos após sua chegada no Brasil. O casal franco-haitiano veio de carreira em cooperação internacional entre Haiti e Brasil e possui vasta experiência no tema da migração. 

Bob, produtor cultural haitiano, tem 18 anos de experiência em mediação de conflitos e desenvolve projetos culturais que têm como objetivo a visibilidade das histórias dos migrantes. Mélanie, além de 15 anos de experiência profissional no setor, possui experiência acadêmica, tendo seu doutorado em Antropologia pelo Museu Nacional/UFRJ nos estudos sobre a mobilidade haitiana.

O QUE SIGNIFICA "MAWON"

Mawon vem da palavra em creole haitiano que tem um significado forte na história política do Haiti: o marronnage - nome dado para descrever a fuga de um escravo da propriedade de seu mestre na América, Caribe ou nas ilhas Mascarenhas em tempos coloniais. O próprio fugitivo foi chamado marrom castanho ou negro, nèg mawon. Hoje, a UNESCO reconhece este « marronage dos escravos » do Haiti na data do 23/08 como Dia Internacional da Lembrança do Tráfico de Escravos e sua Abolição. Acreditamos que cada migrante é um nèg mawon na conquista do seu projeto de vida.

Video produzido pelo Lab Oi Futuro sobre a experiência de Mélanie Montinard, cofundadora da Mawon. Desde 2017, o negócio social acompanha migrantes de diversas partes do mundo durante o processo de imersão e acolhimento na cultura brasileira.

 

Duração: 2m42s 

Idioma: Português

Ano: 2019

Video produzido pelo Canal Futura em 2017 contando um pouco da história de Bob Montinard.

Duração: 14m24s

Idioma: Português

Ano: 2017

Cu00f3pia de Design sem nome (4)_edited.
Cu00f3pia de Design sem nome (4)_edited.

FEITO COM         NO RIO DE JANEIRO

Objetivos de Desenvolvimento Sustentável

ODS 1 8 10 16 17.png